O Pet Dachshund

Túlio Santos | Raças de Cães | , , , , ,

Resultado de imagem para DachshundPor causa da fisionomia praticamente divertida, Dachshunds (basset hound, Teckel, Cofap, basset salsicha) têm sido um tema favorito de cartunistas e produtores de brinquedos;
O Dachshund existe em dois tamanhos, três modelos de pelos e uma enorme diversidade de cores e manchas, o que quer dizer que há um Dachshund para praticamente todas as pessoas;
Um Dachshund foi mascote dos Jogos Olímpicos de Munique no ano de 1972 – O cachorro Waldi foi o primeiro amuleto oficial em Competições Olímpicas;
A rainha Victoria adorava os Dachshunds, era uma das suas espécies favoritas e devido a ela se tornaram famosos nas terras inglesas;
No Brasil eles ficaram conhecidos como “Cofap” por causa de uma marca de suspensões automotivas que empregam o Dachshund como garoto propaganda;
Seu apelido de “Salsicha” inclusive veio de uma marca de salsichas que usava a nomenclatura da raça em suas mercadorias.

Origem e História do cão Dachshund

Esta é uma espécie bastante velha que segundo determinados historiógrafos datam mais de 5.000 anos, já que foram encontradas inúmeras ilustrações similares a ela em mausoléus de faraós. No entanto, compreende-se que o Teckel foi criado em sua forma atual nas terras alemãs.
Naquele tempo, os alemães buscavam um cachorro que fosse ágil o suficiente, pequeno e resistente a fim de que pudesse adentrar em esconderijos de texugos, lebres e coelhos. Como consequência houve 9 diversos padrões que foram levados para terras inglesas e fizeram parte da corte britânica, o que tornou o cão da raça ainda mais conhecido.
Seu porte, recentemente, não é medido pelo peso, mas pelo contorno de seu tórax, segundo os órgãos internacionais encarregados pela especificação e pelos cuidados desses animais de puro sangue.
Existem duas hipóteses a respeito de como os critérios da raça Teckel surgiram. Uma delas diz que os cães da espécie geravam ocasionalmente filhotes que tinham um pelo ligeiramente mais longo do que seus pais. Por uma triagem feita a partir de apuração de raça, outros cães com o mesmo semblante eram feitos. Outra teoria é que o padrão do cachorro de pelos compridos poderia ter sido desenvolvido a partir de um cruzamento de cães de pelo liso com cachorros de vários locais e Spaniels.
O cachorro de pelagem extensa foi o último a se desenvolver sendo criado no final dos anos 1800. Existe a chance ainda de terem acasalamentos com cães, por exemplo: Schnauzer, o Dandie Dinmont Terrier.

Aspectos Físicos do cachorro da raça Dachshund

guia-dachshund O Teckel, ou Dachshund é um genuíno predador de tocas. Dotado de um olfato finíssimo, o qual lhe permite acompanhar a mais sutis das pistas, o Dachshund costuma chegar à toca e penetrar audaciosamente nela, atacando o inimigo que se escondeu.
Provido de propriedades mentais e estilo físico muito distinto, como por exemplo seu típico porte físico longo e pernas muito curtas, a cinofilia guardou um conjunto de cachorros especialmente para essa raça.
O Dachshund é um cachorro de membros reduzidos, porte físico longo, de aspecto musculoso e constituição muscular firme. Mostra uma postura ativa da cabeça e semblante sempre inteligente. A despeito da assimetria entre o corpo longo e o suas patas pequenas, o Dachshund não parece desprovido de elegância, pesado ou de movimentações circunscritas. Os olhos da raça apresentam tamanho mediano, cor escura, forma ovalada, situados lateralmente, com expressividade vivaz, intensa e bondosa, sem olhar focadamente.
Há 3 tipos de pelagem a saber para a espécie: pelo reduzido, pelo duro e pelo comprido. De menor porte, os tamanhos permitidos para a raça Dachshund também são 3: tamanho mais comum (até 9 quilos); Nanico (com circunferência do tórax até trinta e cinco centímetros aos quinze meses) e Kaninchen (com circunferência do tórax máxima de trinta centímetros aos quinze meses).

Temperamento do cão da raça Dachshund

Se no começo o Dachshund era um valente e intrépido caçador, no presente deixou à parte a maior parte de suas antigas obrigações e transformou-se em cachorro de companhia. Por causa do seu comprimento, é uma excelente opção para quem mora em edifícios, especialmente, visto que aprende com naturalidade os hábitos de limpeza. Adapta-se bem a lugares pequeninos e não é do padrão destruidor.
Inteligente, esperto e muito levado, o Dachshund é um ótimo cão vigia. Sempre atento, a qualquer sinal de proximidade de pessoas estranhas, ladra muito. É um bom parceiro para crianças e brinca também depois de envelhecer. Convive de forma estável com os demais bichos e cães, todavia não foge de uma briga caso seja desafiado.
Determinados produtores declaram que há diferenças de comportamento de acordo com o estilo de pelagem, sendo que os de pequenos pelos seriam mais sociais e os pelos duros mais agitados e, até mesmo, um pouco mais bravos, contudo isto não é confirmado, nem mesmo consta do padrão da espécie.
Outra qualidade da espécie é sua auto-suficiência, o que lhe rendeu fama de rebelde. Na convivência em família é um bom parceiro, gosta e respeita a todos, mas dedica-se a só uma pessoa que elege como proprietário.

Benefícios de possuir um cachorro da espécie Dachshund

Independentemente do seu tamanho, Dachshunds são uma obtenção maravilhosa para todos os membros da família, é por causa disso que eles estão quase no topo da lista como cachorros mais famosos desde meados do século XX. Sua bela aparência e disposição vívida tem inspirado vários apelidos afetuosos para a raça, incluindo Hot Dog, Cão Salsicha, Doxie, Dashie e, especialmente na Alemanha, Teckels, Dachels ou Dachsels.
Entretanto sua aparência foi criada com propósitos muito mais significativos e diretos. Suas pernas curtas lhes permitem escavar e locomover pelo interior de galerias subterrâneas, enquanto o grande tórax guarda um coração firme à luta. Dachshunds são audazes, todavia podem ser um pouco desobedientes e possuir um espírito auto-suficiente, especialmente quando caça.
Em casa, a natureza recreativa do Dachshund se sobressai. Ele gosta de estar perto de você e “ajudar” a fazer as coisas como amarrar os calçados. Em função de sua inteligência, ele em certas ocasiões tem suas ideias próprias sobre quais são as regras na ocasião em que se trata da hora da diversão e essas regras são capazes de não ser as mesmas que você ou outras espécies de cães têm entendimento.

Problemas normais ao cachorro Dachshund

problemas-dachshund O Dachshund defronta certos problemas próprios de espécies de cães baixos (como o Basset Hound), entre eles propensão à obesidade e problemas na coluna. A obesidade pode ser administrada ofertando ao cão alimentos em porção apropriada (procure um veterinário para definir essa medida) e fornecendo uma quantidade satisfatória de exercícios.
Relativo aos problemas nas costas, que várias vezes estão aliados com a obesidade, deve-se impossibilitar que o Dachshund salte de locais altos e/ou caminhe em chãos escorregadiços. Entre os mais comuns estão a luxação de patela (ruptura de um ou dos dois ligamentos cruzados do joelho), por tendência hereditária ou por trauma; osteófitos ou bico de papagaio, provocado pelo aumento exagerado do osso nos espaços no meio das vértebras; hérnia de disco – motivada pela pressão da medula da coluna pelo atrito constante entre as vértebras.
Outro problema comum é a dermatite que é capaz de ser prevenida dando banhos só na ocasião em que for imprescindível.

Como tomar conta de um cão Dachshund

Dachshunds possuem um monte de energia e intensidade. Eles adoram fazer caminhadas ou divertir-se ao ar livre com outros cachorros, bem como amam capturar e cavar. Eles são também ativos dentro da residência e são capazes de se encaixar bem em pequenas salas de estar, contanto que tenham uma quantidade moderada de exercício diário. Dois passeios, duas vezes por dia são o bastante para o porte desse pequeno esportista. Ocasionalmente, no momento em que o tempo for limitado, um jogo de busca irá atender a sua necessidade de atividade.
Dachshunds podem machucar as costas pulando do sofá para o chão, o mais adequado é que tenha uma rampa ou degraus e que sejam educados a utilizar se almejarem subir no sofá ou na cama. No momento em que você alçar um Dachshund, sempre tenha cuidado em apoiar a sua traseira e seu peito.
É uma raça que precisa de poucos cuidados de higiene. Eles perdem pelo, mas não tanto. Eles não precisam tomar banho comumente. Use um pano úmido entre banhos para deixá-los limpos. Caso você more em um lugar que é frio no inverno, seu Dachshund pode carecer de proteção extra no momento em que for caminhar. E esta espécie não deve viver ao ar livre.

Filhotinhos de Dachshund

Resultado de imagem para DachshundA média de nascimentos do Dachshund é de 2 a 10 filhotes, de acordo com o porte da mãe.
Os filhotes precisam de ser ensinados desde muito cedo para que dono e cachorro sejam capazes de possuir uma convivência agradável. É um cão que procura agradar, porém necessita de limites claros e, especialmente, necessita aprender quem é que manda. Segundo os produtores, no caso do Dachshund a obediência aumenta com o amadurecimento.
Como todos os cães, Dachshunds são capazes de ser destruidores quando filhotinhos. Seja paciente com o filhotinho dessa raça e ensine o lugar apropriado para fazer suas necessidades, constantemente exaltando e dando gratificações para incentivar o comportamento certo.

Maltês – Principais Informações

Túlio Santos | Raças de Cães |

Imagem relacionadaO pelo comprido requer uma escovação todo dia para evitar que ele fique embolado, quando necessário faça a tosa do Maltês em um pet shop especializado.  Ele se encontra visível na obra da tapeçaria “A dama e o unicórnio”. O filhote Maltês foi bastante apreciado por enormes celebridades ao longo dos séculos;
Ele é um dos prediletos de famosos, incluindo Halle Berry, Heather Locklear e Eva Longoria;
Embora seu Maltês vá desejar distraí-lo, ele é capaz de ser complicado de ser educado;
Os povos do Egito e, milênios mais tarde, vários povos da Europa, pensavam que o Maltês tinha a eficácia de tratar os indivíduos de doenças e colocavam um no travesseiro de um indivíduo doente. Isso inspirou uma de suas denominações: “O Consolador”;
Ao longo do império de Henrique VIII, o Maltês chegou nas Ilhas da Grã-Bretanha. Até o desfecho do século XVI, o Maltês tinha se tornado um animal doméstico preferido para damas da aristocracia e realeza;
O pequeno cão foi um dos preferidos da soberana Elizabeth I, Mary Queen of Scots e Rainha Vitória;
Diversos pintores, incluindo Goya e Sir Joshua Reynolds, inseriu estes cachorros pequenos em seus retratos de senhoras formosas.

Origem e História do magnífico cachorro Maltês

historia-maltes Os ancestrais do Maltês vêm das cidades marítimas do Mediterrâneo. Eles eram usados para acossar ratos e camundongos que atacavam embarcações e armazéns e as primeiras referências que temos deste cachorro remontam à época Egípcia. Uma das raças mais velhas do mundo, o Maltês foi um companheiro adorado por aproximadamente três mil anos. Poetas romanos escreveram a respeito desta espécie e os gregos tinham jazigos especiais feitos para eles. No decorrer de muitos anos eles desfilaram em volta dos palácios, brincavam nos jardins reais e passeavam nas residências senhoriais.
Chamada pelo nome latim de Canis Malitaeus desde épocas antigas, o cachorro Maltês ainda já foi referido como Cão Leão Maltês e Antigo Cachorro de Malta. No entanto, a sua origem não está ligada à ilhota da ilha de Malta, na Sicília, todavia sim ao termo porto (ou refúgio), vinda da tradução do termo “málat”.
O Maltês teve seu lançamento nos EUA numa exposição em Westminster, no período de 1877. Um ano em seguida, a raça foi registrada oficialmente. Em tempos mais antigos, o Maltês nascia com pelos de outras colorações, definindo a sua nuance alva com o decorrer do tempo. Até 1913 diversas colorações ainda eram permitidas nas exposições da raça. Foi após o século XX que se tornou obrigatório que os Malteses fossem totalmente brancos.

Características Físicas do Maltês

O Bichon Maltês é visto como um cão de porte pequeno e tem uma pelagem extensa e branca. A grande maioria das partes do corpo acabam sendo proporcionais, não tendo grandes diferenças de porte, apesar de revelar um corpo comprido em comparação com sua altura.
A cabeça do Maltês é simétrica ao restante de seu corpo, o focinho é de tamanho médio e o seu stop é bem delineado. Seus olhos são enormes, pretos e inclusive circulares. O focinho é sempre preto e fica em contraste com o branco da pelagem. As suas orelhas geralmente são inclinadas e totalmente revestidas de uma longuíssima pelagem. A raça tem longos bigodes e também uma franja típica. Seus membros são inteiramente cobertos pela pelagem, o que provavelmente não vai impedir a locomoção do cão. Sua cauda inclusive é dotada de uma ampla pelagem.
Isso lhes dá uma aparência nobre e de bastante elegância que, em razão do seu pelo sedoso e a sua forma de andar suave, faz com que este cão pareça voar por cima do solo, tamanha a sua elegância de locomoção.

O gênio do Maltês

comportamento-maltes É uma espécie cordial e sem medo. Este é um cachorro enérgico e musculoso que se destaca não apenas como um companheiro, como também como um cachorro de terapia e concorrente em certas provas para cão como agility, obedience, rally e tracking. Porém, principalmente, ele ama estar com seus donos.
O Maltês tem uma ótima característica de adaptar-se com a rotina de seu proprietário. Se por acaso a pessoa for muito afetiva e operante ele inclusive será, porém, se for tranquila, o Maltês é capaz de apresentar um comportamento que seja bastante tranquilo. Isto torna o Maltês um cão de companhia por excelência.
É um bicho que costuma ser muito amorável, e por esse motivo, é capaz de ficar muito tempo distraindo-se e brincando com as crianças. Ainda assim, por causa de seu tamanho, as crianças têm que ser controladas para que não o firam. Ele é capaz de ficar bastante entristecido quando isto ocorre.

Vantagens de ter um pet Maltês

O Maltês é muito vivo e ativo, ainda tem uma garganta afiada, Caso você não queira um cão que grite ou até mesmo faça barulho, adquira outra raça, pois essa não é a apropriada. Mesmo assim, ele é um ótimo cachorro de alarme. Muito dedicado à família, gosta muito de atenção e ama ser acariciado especialmente seu dono.
É uma das mais pequenas de todas as espécies, além de ser agradável e também alegre para brincar. O Maltês (Bichon Maltês) com certeza é uma excelente pedida para se ter no lar, em especial para quem vive em edifícios e fica muito tempo na residência, para fazer companhia.
Como normalmente é um cachorro muito sociável, se dá bem com outros cachorros, desde que viva eventualmente com eles. É um cão muito aventureiro e bagunceiro, costumando atiçar cachorros de tamanhos maiores, por isso é essencial ter cuidados.
Vive bem em apartamentos e não necessita de um quintal, desde que ele seja suficientemente exercitado. Sair para realizar passeios diários e, ainda, boas doses de brincadeiras poderão deixar este cachorro bastante bem fisicamente.

Problemas usuais do Maltês

problemas-maltes Esse é um cachorro saudável, seus olhos, todavia são a sua zona mais vulnerável no que diz respeito a enfermidades. Existem também incidências de cães com deficiência auditiva nesta raça. Por fazerem festa a cada membro da residência, fazem questão de estar constantemente próximos dos indivíduos. Apesar disso, sempre escolhem um deles como o dono central e precisam ser instruídos, pois são capazes de ficar bastante ansiosos e nervosos quando o problema é um número muito grande de pessoas em sua residência, o que tem a chance de causar estresse.
O Maltês manifesta, principalmente, 2 distúrbios constantes que são alergias e problemas na pele, ocasionados por pulgas ou produtos de limpeza. Eles podem também possuir luxação da patela.
Outra fonte de atenção precisa ser prestada à dentição dupla, na ocasião em que os dentes de leite não caem na ocasião em que os efetivos despontam. Neste caso, o mais indicado é que os dentes provisórios sejam arrancados para não encavalarem com os demais. A espécie tem também tendência ao tártaro que pode desenvolver-se para um grave problema na gengiva e causar a queda deles.

Como cuidar de um Maltês

Sua pelagem branca requer vários cuidados especiais a fim de que não manchem. Os olhos terão que ser regularmente limpos e a barba necessitará de ser limpa depois de cada uma das alimentações.
É um cachorro que necessita de banhos mais frequentes do que outros espécimes de cães, visto que seu pelo comprido se arrasta ao chão e se suja com bem mais facilidade. Frequentemente os proprietários optam por tosar a pelagem, com finalidade de tornar o cãozinho mais fácil de cuidar. No momento em que o pelo é deixado longo, os donos precisam amarrar a franja com uma buchinha de cabelo para impedir que caia por cima de seus olhos.
A grande qualidade da raça é que não cai pelos, sendo assim formidável para quem conta com móveis que agarram pelos carpetes, dentre outros, além de serem sem riscos para as pessoas que sofrem com crises alérgicas.
A quantia diária de ração aconselhada é de 1/4 a 1/2 xícara por dia, partida em duas refeições. Não deixe que seu Maltês fique obeso, vigiando sua comida e alimentando o animal duas vezes por dia, ao invés de deixar comida sempre acessível.

As Crias do pet Maltês

Os filhotes quando nascem são ligeiramente diferentes dos seus pais. Normalmente o focinho, o olho e os lábios são cor-de-rosa e logo após a primeira semana começam a despontar manchinhas escuras neles. Na quase totalidade dos Malteses a pigmentação está finalizada aos 2 meses e caso neste período a parte rósea em torno dos olhos for superior a ¼, essa marcação não altera mais. O aconselhado é que o nariz, os olhos e os lábios estejam pretos logo aos sessenta dias.
Os pelos brancos e sem pintas inclusive não é uma conjuntura intrínseca aos filhotes. Normalmente há filhotinhos que nascem com tonalidades laranjas que varia de dez a quarenta por cento. Essa é outra pecularidade que pode variar num prazo de dois a seis meses, no momento em que, enfim, os pelos adquirem a pigmentação branca pura.

Superando a morte de um animal doméstico – Conheça a respeito

Túlio Santos | Curiosidades sobre Cães |

Na ocasião em que o nosso pet morre, sentimo-nos tão tristes da mesma maneira que se tivéssemos perdido um filho, uma irmã ou um de nossos pais. Vivenciamos uma tristeza imensa que não se é capaz de comparar a nada e que é difícil de explicar. Neste texto, contaremos por qual razão a morte de um animal de estimação dói igual à de um familiar.

Aqueles que adoram os animais entendem que não há uma dor maior do que a de perdê-los. Os cães e os gatos passam vários anos ao nosso lado a fim de que o falecimento deles não nos entristeça.

pessoa-triste Só o ato de imaginarmos que qualquer dia eles vão morrer, nos dá um aperto no peito. Entretanto, precisamos ter em vista que em algum momento isso acontecerá e que é preciso que estejamos prontos.

A vinculação que vivenciamos com os animais de estimação é tão grande que não podemos imaginar a vida sem suas presenças. Nada irá ser como antes, pois seu carinho e sua fidelidade eram como um bálsamo entre os nossos problemas.

Lamentavelmente, o período de vida desses espécimes de companhia é bastante menor do que o nosso. Logo, é natural que sejamos nós que venhamos a sofrer pelo perecimento de nosso pet.

Consoante psicólogos, isto gera um grande impacto emocional nos indivíduos, tal e como acontece quando uma pessoa de nossa família falece.

Por quê? Porque o cão ou o gato também fazem parte deste núcleo íntimo.

Além disso, como diz uma pesquisa da Universidade do Havaí, a dor causada pela morte de um animal de estimação não só é forte e profunda, mas também dura muito tempo. Uma em cada 3 pessoas consultadas elucidaram que sofreram no mínimo seis meses após a perda.

A morte de um animal de estimação – o final de uma relação única

cachorro Os animais domésticos nos dão seu carinho, sua atenção e sua lealdade ( em inúmeros casos, mais do que obtemos de outras pessoas ). Devido a isto, na ocasião em que eles falecem, somem ou são roubados, experimentamos o que os especialistas chamam de “ fim de uma experiência extraordinária ”.

A dor por causa da morte do animal de estimação normalmente não é assimiladas por aqueles que não têm um cachorro ou um gato. Eles acham esquisito que alguém chore tristemente por um pet, se o que morre é um cachorro ou um gato, ignoram os sentimentos.

Como cada vez mais casais e famílias acolhem um bicho de estimação e o transformam em um membro extra da casa, é habitual que se preparem funerais e enterros como se fosse de algum ser humano. Também há cemitérios especiais para espécimes de companhia.

Como superar a morte de um animal de estimação

Não importa se seus amigos ou familiares não lhe compreendem ou dizem que você é exagerado por se sentir entristecido por causa da morte de um animal de estimação. Se seu cão ou gato faleceu, você deve manifestar sua dor e confrontar a perda.

Separe o tempo que necessitar para passar este péssimo momento.

Ainda que não necessite chorar milhares de lágrimas, não as prenda. Atenue toda sua tristeza através do choro.

Não se deve assumir a culpa pelo ocorrido, uma vez que esta não é a melhor maneira de encontrar alívio. Unicamente seu animal de estimação morreu e isso não é sua culpa. É indicado que você esteja tranquilo consigo mesmo e que se perdoe.

Seja paciente, pois, durante as primeiras semanas, você se sentirá verdadeiramente triste. Se não tiver vontade de falar sobre o ocorrido, não fale, se preferir passar o final de semana dentro de casa, faça isto. Contudo tenha em vista que, em certo momento, você deverá retomar a sua vida normal.

Por fim, lembre-se de seu cão ou gato fazendo bagunças e estando feliz ao seu lado.

Procure não preservar nenhum acessório que ele costumava usar, porque isto causará mais tristeza. Certamente existem vários espécimes sem um lar que precisam de comida, camas e brinquedinhos. E aguarde um período providencial para levar outro bicho de estimação para casa.

Pois você saiba que não será uma alteração, você estará pronto para dar a chance para esta nova vida entrar na sua casa.

Em razão disto, os seres humanos não vão querer mais matar cães

Túlio Santos | Curiosidades sobre Cães |

Lembra aquele indivíduo que tem o costume de colocar veneno para bichos de rua e domésticos? Então, temos uma péssima notícia para essa pessoa! Leia neste post o que foi aprovado pela Câmara dos Deputados para coibir a prática de matar cães e outros espécimes.

O plenário da Câmara reconheceu o PL 2. 833/11, que torna crime atividades contra a vida, a saúde ou a segurança de cachorros e gatos. A matéria será votada também pelo Senado.

Conheça o que afirma o texto sobre aniquilar cães e gatos

cachorro-triste O Projeto de Lei 2833/11, do deputado Ricardo Tripoli (PSDB-SP), que torna crime atitudes contra a vida, a saúde ou a proteção de cachorros e outros animais de estimação foi aprovada na forma de uma emenda substitutiva do deputado Lincoln Portela (PR-MG).

Conforme o artigo, matar cães ou gatos vai ter pena de detenção de um a três anos.

A exceção será para o sacrifício, se o animal encontrar-se em cenário de morte agônico e irreversível, desde que seja feita de forma regulada e acompanhada.

Caso o crime seja cometido com o objetivo de contenção demográfica ou com o objetivo de controle de doenças originadas de animais, a punição vai ser de reclusão de 1 a 3 anos.

Neste último caso, ela vai ser aplicada no momento em que não houver constatação de enfermidade infecto-contagiosa a qual não tenha perspectiva de melhora. Dado que não justifica o ato de matar cachorros e/ou gatos.

Estas penas vão ser acrescidas em 1/3 se o crime for cometido com utilização de produtos tóxicos, fogo, estrangulamento, espancamento, arrastadura, tortura ou outro meio cruel.

Assistência e desamparo

    • Para o agente público que tenha a incumbência de manter a vida de animais e recusar prestar socorro a cachorros e gatos em momentos de grave e iminente perigo, ou negar pedir o socorro da autoridade pública, a penalidade será de reclusão de 1 a 3 anos.

O abandono de cachorro ou gato vai provocar a detenção por três meses a 1 ano.

O abandono é determinado pelo projeto como largar o animal de sua propriedade, posse ou guarda, sem amparo e entregue à própria sorte em lugares públicos ou propriedades privadas.

Rinha de cães

    • Em se tratando de briga de cachorros, a penalidade será de reclusão de 3 a 5 anos. A exposição de cão ou felino a risco de morte ou a situação desfavoravel à sua saúde ou integridade física provocará reclusão de 3 meses a um ano.

 

Aumento de penalidade

    • Qualquer uma das punições definidas no projeto vão ser aumentadas no momento em que, para a execução do ato, reunirem-se mais de 2 pessoas.

 

Interesse social

O criador do projeto disse que a proposta vai ao encontro das ideias das pessoas. “Estamos decidindo dentro do que o país nos solicita ”, disse Tripoli.

“Cada vez aumenta a preocupação dos brasileiros para corrigir estas atitudes covardes que ainda continuam ocorrendo ”, finalizou o deputado Daniel Coelho (PSDB-PE).

Segundo ele, estatísticas demonstram que quem agride espécimes tem a tendência de agredir mais idosos, bebês e mulheres.

Mesmo com indicação de todos os partidos a favor do texto, ocorreram críticas à medida.

O deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) solicitou mais tempo para avaliar o texto.

“O mérito é inquestionável, porém há uma confusão para usar o direito penal para mudar comportamento. Possuo dúvidas se o artigo está apropriado. ”

Já o deputado Valdir Colatto (PMDB-SC) achou uma “ loucura ” a Câmara votar a proposta. Pois, em sua avaliação, ela pode causar superlotação de presídios.

“ Seria preciso utilizar o Maracanã para botar as pessoas que agem contra cães e gatos. ”