Poodle – Aprenda tudo sobre

Túlio Santos | Raças de Cães |

O Poodle Grande é o mais antigo de todas as variações;
O Poodle Toy foi desenvolvido no século XVIII na Grã-Bretanha;
Ele se encontra em 2º, só atrás do Border Collie, na lista feita por Stanley Coren, que categoriza espécies de cães por inteligência;
A imagem tradicional do Poodle, com o pelo encaracolado ou cacheado, é a primeira que vem à memória no momento em que pensamos neles. O que poucos sabem é que o Poodle também pode vir a ter o pelo encordoado, semelhante aos cachorros da raça Komondor e Puli. Assim como em seus companheiros caninos da Hungria, a pelagem encordoada no Poodle se estende gradativamente com o transcorrer do tempo e para mantê-la, o proprietário necessita ter uma ótima dose de tempo e tolerância;
O escultor Jeff Koons já recriou muitos Poodles em suas obras, como um feito de aço que conta com a forma de um cachorro feito com balão e uma estátua perfeita de um Poodle;
A palavra “Poodle” vem do termo pfudel, que em alemão significa “poça”;
Também conhecido como Caniche, pressupõe-se que deva seu título ao vocábulo “canichon”, que designava outrora tanto um pequeno pato quanto o cão que o caçava;
Diferente dos outros cachorros, o Poodle tem uma pelagem que se assemelha ao cabelo dos seres humanos. O pelo dos cães cresce apenas até certo ponto, depois se desprendendo do corpo. Já o do Poodle continua a crescer;
Uma das razões que o Poodle tem sido misturado com outras espécies, criando o que conhecemos hoje como Designer Breeds (Labradoodle, Cockapoo, Goldendoodle, etc), se dá em razão de seu pelo e na busca de criar um cão hipoalergênico (o que não existe em sua totalidade);
Em 1787, o Poodle ganhou de Beethoven a composição intitulada “Elegia à Morte de um Poodle”;
Entre os Poodles mais conhecidos da sociedade humana, estão os dançarinos das festas nos grandes salões promovidas pela aristocracia da Europa no século XVI;
Taffy Gayle, um Poodle que residia no Alabama, Estados Unidos, viveu até os vinte e sete anos;
Cães que se assemelhavam ao Poodle estavam presentes em moedas na Roma Antiga.

O Surgimento do Magnífico Poodle na História

guia-poodle Por diversos séculos, o Poodle e o Barbet eram a mesma raça. Este cachorro era utilizado como como caçador de pássaros selvagens e guardião de cabras e ovelhas. A datar do século XVI, começou a se diferenciar gradualmente essas duas raças. Vários permaneceram predadores ou guardiões, contudo outros passaram por alterações.
Mesmo que a gênese do Poodle não seja conhecida de fato, estima-se que a espécie surgiu em território francês e o povo da França abraça essa opinião com grande convicção. Mesmo com isto, tem mais uma outra sucessão de possibilidades referentes à gênese da raça. À medida que os franceses defendem que o advento sucedeu na França, os germânicos acreditam que a raça é proveniente de territórios nórdicos e árticos. Já outros especialistas inclusive afirmam que o Poodle despontou no norte da Itália, mais exatamente na área de Piemonte.
A teoria da origem francesa existe, exatamente, em função dos cães Barbet, que são franceses e eram encontrados com muita frequência em mostras especiais de beleza dos cães. Esta raça poderia ter, ao longo do tempo, transformado-se no Poodle, que preservou o impulso para a caça entre as suas primordiais propriedades ganhadas dos Barbet.

Aspectos Físicos do Poodle

caracteristicas-poodle O Poodle é anatomicamente bem simétrico e gracioso que se diferencia pela tosa a qual o diferencia de qualquer outra raça. De linhas simétricas, o Poodle está a todo momento vigilante e operante.
O crânio do Poodle é proporcional à coluna, o focinho é de coloração escura nos cães pretos, brancos ou cinzas. Nos espécimes castanhos, o focinho também é castanho, e de coloração marrom ou preta nos cães abricós e fulvo avermelhados. Os olhos têm forma amendoada e apresentam cor parda, âmbar escuro, ou preta. As orelhas são compridas, arredondadas na borda, pendentes ao longo da face. A cauda é de inclusão bastante alta, no nível da linha superior.
A pelagem do Poodle é capaz de ser de duas formas, encaracolada ou encordoada. A do modelo encaracolada, também chamada crespa, é abundante, de textura fina, lanosa, elástica e resistente ao contato da mão. Já a multiplicidade do padrão encordoado também é cheia, de textura fina, lanosa e fechada. A pelagem possui apenas uma coloração e é capaz de ser escurecida, branca, marrom, cinza, abricó ou também fulvo com tons avermelhados.

Estrutura Psicológica da raça Poodle

O Poodle é um cão imensamente inteligente. Segundo Stanley Coren, escritor do livro a “A Inteligência dos Cães”, a espécie está no segundo lugar na tabela de obediência para o trabalho, atrás apenas do Border Collie. Isso diz porque a maioria dos cachorros de espetáculos e circos pertencem à espécie, uma vez que são cães que aprendem bem depressa e retêm de maneira muito consistente os ensinamentos dados.
Contudo, não foi apenas a inteligência que levou o Poodle a conquistar notoriedade como cão de companhia. Seu comportamento brincalhão, alegre e meigo fizeram com que se tornasse praticamente um padrão.
Independente de todas as vantagens da espécie, a baixa qualidade da criação fez com que numerosos exemplares manifestassem problemas de comportamento, traços de brutalidade contra o próprio dono e estranhos. Diversos se tornam indomináveis, birrentos, extremamente zelosos com objetos e latem altamente. Segundo numerosos criadores, a maioria dos problemas de comportamento afeta principalmente os cachorros dos tamanhos Toy e Micro, que são mais fáceis de vender.
Além dos cuidados em relação à origem do cão, é fundamental enfatizar a importância do dono na educação do cão: por ser sagaz, o Poodle pode assimilar que ao adotar hábitos dominantes acaba atendido. E é aí que o proprietário, procurando agradar o cachorro, agrava os desvios de personalidade.

Privilégios de Ter um Cachorro Poodle

Bastante meigo e sociável, o Poodle é uma das espécies mais populares do Brasil e uma das mais requisitadas no mundo, mantendo sua posição de queridinho graças à sua boa natureza. O Poodle é uma espécie recomendada tanto para casais, quanto para famílias com crianças.
Com uma lealdade e fidelidade infalível com os seus donos, o Poodle gosta de agradá-los, ele se ajusta facilmente em qualquer ambiente, em particular à vida urbana. Eles em geral lidam bem com outros cachorros, gatos e estranhos. Ama ser o centro das atenções.
Eles têm uma capacidade surpreendente para comportamentos e artimanhas que envolvem o cérebro e rapidez. Seu amor por brincadeiras e sua inteligência abrem um mundo de possibilidades a serem oferecidas para esse cachorro ativo que ama novos aprendizados. Ele se dá muito bem em esportes caninos, como agility e disciplina, assim como aprecia jogos que trabalhem sua esperteza. Apesar do Poodle Toy ser anatomicamente mais frágil e necessitar de ligeiramente mais de cuidado na hora das diversões, Poodles maiores necessitam de muito exercício para serem contentes e são bem fortes.
Bastante adestráveis e com formidável memória, o que em outros tempos os levaram a trabalhar nos circos, esse cachorro astucioso necessita de ser instruído com brandura, entretanto, ainda assim com firmeza, porque toda esta inteligência é capaz de ser traduzida também em teimosia.
Eles geralmente são cahorros extraordinários de terapia. Sua natureza empática e alegria ao se envolver com pessoas, torna os Poodles perfeitos para visitar lares de idosos, hospitais e escolas.

Distúrbios comuns do Poodle

Existem alguns problemas de saúde graves que podem acometer os Poodles como enfermidade de Addison, Hipertireoidismo e Hipotireoidismo, colapso traqueal, epilepsia, doença renal juvenil, displasia da anca e tumores.
Os cães desta espécie são capazes de também ser predispostos a determinados problemas de saúde menos graves, como por exemplo, infecção de ouvido, que pode ser minimizada por uma higienização frequente da região.
O melhor é assegurar ao animal uma alimentação saudável, oferecendo para ele ração Premium, que contém todas as vitaminas que ele carece. Assim sendo, o cão com certeza irá viver bem mais e com maior qualidade. A expectativa de idade do Poodle alterna de 12 a 15 anos e se for bem cuidado será capaz de viver por mais tempo.

Como Cuidar de um Poodle

como-cuidar-poodle A tosa é um ponto fundamental para os proprietários de Poodles. A pelagem leve e encaracolada que funcionava bem na ocasião em que o Poodle passava a maior parte de seu tempo na água caçando, precisa ser aparada periodicamente, normalmente a cada seis a oito semanas, dependendo das predileções do dono. Ela forma embolados muito fácil e exige escovação constante e diária em sua residência. Se deixada sem ser cortada, a pelagem vai enrolar naturalmente em cordas, em estilo dreadlock.
A atenção com a saúde bucal é importante, particularmente para Toys e Poodles Medianos e Anões. Escove os dentes cotidianamente com creme dental específico para cães e aprovados por médicos veterinários.
O Poodle é um pouco egocêntrico e tem necessidade de ser ativo na vida de seus proprietários. Caso tenha que ficar em sua moradia sozinho por horas e continuar sozinho no momento em que seu dono chegar do trabalho, será um cão infeliz.
Socializar cães dessa raça é importante desde o início. O Poodle é muito afetuoso com os donos e é capaz de ser bem retraído e desagradável com desconhecidos. É um cão que está bem adaptado à vida na cidade.

Os Filhotes do cão Poodle

O filhote desde cedo deve apresentar as propriedades do cachorro adulto, não somente em relação à estrutura física, como também com relação ao temperamento.
A cor do filhote é outro aspecto importante: é comum que a coloração dos cachorros fique mais clara com o transcorrer do tempo, porém, de qualquer forma, a pelagem provavelmente será uniforme, sem manchas.
Outro cuidado fundamental na compra dos filhotinhos diz respeito ao tamanho que o cachorro irá ficar quando mais velho. Com a finalidade de evitar decepções, é sempre conveniente que antes de se possuir um filhote se faça uma visita aos pais da ninhada. Normalmente, o porte dos pais é um excelente parâmetro ao dos filhotinhos.

Pinscher – Tudo Sobre

Túlio Santos | Raças de Cães |

O Pinscher é conhecido na Alemanha como Zwergpinscher, seu nome significa “Anão mordedor”;
Independente da aparência similar com o Doberman Pinscher, o Pinscher Miniatura já existia ao menos cem anos antes do Doberman ser criado;
De acordo com pesquisa da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), o Pinscher Miniatura é a terceira espécie mais querida em território brasileiro (6, 6%), só perdendo para o Poodle (12, 1%) e o SRD (20, 6%).

O Surgimento do Pinscher na História

Geralmente o Pinscher Miniatura é tido como uma versão menor do Doberman Pinscher, pela semelhança de ambos, entretanto o Pin Min precede esta raça por, ao menos, duzentos anos. Ele originalmente trabalhava como um caçador de espécimes daninhos em celeiros da Alemanha. Afirma-se que esse cão de bolso é uma variação do Pinscher Médio que pertence à linhagem dos Pinscher-Schnauzers, de origens muito antigas. O resultado foi um cachorro pequenino, amável e corajoso.
Ele ganhou reputação em terras alemãs, seu local de origem, e nos países da Escandinávia, porém não demorou para chamar atenção em outras partes do planeta. Apareceu pela primeira vez em uma exposição em Stuttgart, em 1900. Criadores americanos ficaram fascinados com o Pinscher e importaram cães aos Estados Unidos, colaborando bastante para o avanço da raça. Chegaram à Grã-Bretanha e França apenas no ano de 1950.
O Min Pin foi inscrito no American Kennel Club no ano de 1925 como um Terrier em razão de sua perícia na caça de ratos. Nesse período, já havia uma grande quantidade de Pinschers e o livro de criação de 1925 registrou cerca de mil e trezentas inscrições. O Pinscher Club of America foi estabelecido no ano de 1929 e os cachorros foram reclassificados como espécie Toy em 1930. Como no Pinscher Alemão, das muitas variedades de colorações presentes naquele período, apenas as cores preta, com marcações mais claras, e a avermelhada, do sólido ao amarronzado, foram designadas para a produção.
Na América, mantiveram a nomenclatura Pinscher (Toy) até 1972, no momento em que assim foram renomeados como o Pinscher Miniatura.

Aspectos Físicos do Cachorro da Espécie Pinscher

O Pinscher Miniatura é um cachorro de enorme flexibilidade, aspecto muito deslumbrante e austero. É um cachorro de tamanho médio, estrutura quadrada, havendo uma musculatura robusta e forte. O Pinscher Miniatura é retraído com desconhecidos, e está a todo momento sentinela. Apesar do caráter afável, é fantástico cão de guarda. A pelagem pequena e limpa do Pinscher Miniatura, contribui ainda para que junte todas as qualidades de um bom cachorro de apartamento.
A raça detém uma cabeça de forma longa, com stop leve, porém muito delineado, focinho terminando em cunha, com a trufa escura e bem definida. Os olhos da raça Pinscher Miniatura são escuros, de tamanho mediano, cheios e de formato oval. A cauda, de inclusão elevada e espessura média, é levada na vertical. A pele é inserida em cima de todo o corpo, o pelo é curto, sedoso, endurecido ao tato, forte, reluzente, muito aderido ao restante do corpo. É capaz de ser unicolor (vermelho corça), a partir do pardo avermelhado até o castanho avermelhado escuro, ou preto e pardo (black and tan).
De pequeno porte, a altura da raça Pinscher Miniatura fica entre vinte e cinco e trinta centímetros, medidos sempre a elevação da cernelha.

Psicológico do Pinscher

guia-pinscher O Pinscher tem como predominante qualidade sua bravura e uma personalidade inesquecível. É habitual que os proprietários de Pinscher afirmem que o cachorro apenas é nanico e frágil na fisionomia. É um cachorro sagaz e, de acordo com a categorização de Stanley Coren em seu impresso “A Inteligência dos Cães”, está na 36ª posição em obediência para a tarefa.
É um cão muito ativo, com enorme força e vitalidade e enorme apego ao proprietário. Bisbilhoteiro e travesso, o Pinscher apesar de seu tamanho encurtado não é um cachorro completamente aconselhável às crianças, dado que no calor da brincadeira, elas podem acabar machucando o cão que, por sua vez, se sentindo ameaçado pode contra-atacar. Mesmo assim se o cão for criado junto com criancinhas que saibam brincar será um parceiro inigualável em função de sua energia e dinamismo.
Por ser um cachorro de proteção, o Pinscher tem um incrível instinto territorial, o que é capaz de fazer com que não meça empenhos em defender o seu dono. Concentrado, é ótimo cachorro de vigia, preparado para ladrar ao menor sinal de que existe algo anormal acontecendo. Muitos cães acabam sendo latidores e excessivamente excitáveis, mas estas propriedades se devem mais a problemas de criação e instrução ou em razão de serem resultado de cruzamentos não recomendados do que às propriedades da raça. São rigorosamente esses cães que renderam à espécie a popularidade de serem compulsivos ou histéricos.

Benefícios de Ter um Pinscher

Por ser pequenino, é um dos mais escolhidos para morar em apartamentos, porém é muito barulhento e bastante agitado (cabe ressaltar).
O Pinscher é muito doce com as pessoas de casa, bastante frágil, e muito desconfiado com estranhos. A raça mediana é bem menos disseminada do que a Miniatura, porém merece ser redescoberta, pois tem enormes qualidades comportamentais. Ao treinar esse cachorro é preciso exercer o método da famosa “mão de ferro em uma luva de veludo”, ou o cachorro pode chegar a ser bastante teimoso (como todos os cães bastante dominantes). Com uma característica semelhante a de um Dobermann, o Pinscher é um cão manso e equilibrado, que também funciona como bom animal de estimação.

Distúrbios normais do Pinscher

De acordo com produtores, os maiores problemas do Pinscher são os proprietários, que desde bastante cedo e mesmo sem perceberem acabam motivando comportamentos extremos por acharem graça naqueles pequeninos rosnando e fazendo barulho como se fossem gigantes. E, uma vez a associação feita, corrigir o problema no momento em que os cachorros se tornam maduros é muito mais trabalhoso. Possivelmente essa confusão suceda pois vários proprietários consideram que, pelo seu tamanho, o Pinscher seja só um cachorro de companhia (o American Kennel Club qualifica o Pinscher como cão de luxo).
Os erros na educação, mesmo assim, não evitam que vários cachorros tenham comportamentos indesejados em razão de sua procedência genética, na ocasião em que acasalam-se como por exemplo 2 cães bem hostis ou ruidosos.
Também quanto à vitalidade extrema dos Pinschers, entende-se que quanto menor o tamanho de um bicho, mais intenso é seu metabolismo e mais energias eles são capazes de despender, porém apesar disso, há limites certos entre um metabolismo forte e um cão inquieto ou profundamente ofensivo.
Outro ponto que levou a uma certa intensificação da agitação foram as inúmeras misturas que aconteceram não somente entre os Pinschers e os Chihuahuas, todavia entre os Pinscher e os Terriers do Brasil (Fox Paulistinha).

Cuidados da Raça Pinscher

cuidados-com-pinscher O Pinscher vive entre doze e catorze anos se for bem cuidado. Para o cãozinho possuir uma média de idade longa, necessita-se ficar esperto aos cuidados. O cachorrinho possui bastante energia devido ao minúsculo porte físico. Ele se satisfaz bastante bem com atividades físicas dentro da própria residência, contudo nada como um espaço aberto a fim de que ele consiga correr livremente, porque apenas dentro da moradia ele não vai ser completamente radiante.
Procure, embora, locais protegidos a fim de que ele possa correr sem impedimentos. O cachorro desta espécie não gosta de climas frios e, então, tem que ser criado dentro de casa, e seu pelo é curto, sendo tranquilo de manter sempre limpinho e saudável.
Determinados proprietários de Pinschers acabam intensificando o comportamento dos cães latirem por acharem “engraçadinho” um cachorro tão pequeno rosnar e ladrar alto, e isso deu fama à raça de ser neurótica e ainda mesmo chata. Tem de ser bem-educados, pois, caso contrário, podem se tornar bem hostis.

Filhotes do cão Pinscher

Antes de se adquirir um filhotinho procure assegurar-se de sua origem. Cachorros de raça pura oferecem menos riscos de engano do que cães de procedência incerta. De modo geral, é possível perceber quando há misturas da seguinte forma:
Mesclado com Chihuahua: o cão tem orelhas laterais, olhos salientes e redondos e o crânio também redondo, em um formato de maçã.
Combinação com o Terrier Brasileiro: tamanho ligeiramente maior; manchas brancas na pata, na extremidade dos dedos e na borda do rabo; pés tendendo a ovais; garupa circular.
Outra recomendação importante é não escolher os de menor porte. Isso porque o critério da espécie limita o porte em 25cm. Abaixo disto, além do risco de cães mais agitados, as proporções físicas tendem a ser menos perfeitas. Fêmeas bastante pequenas são capazes de sofrer complicações ao longo do parto. Procure saber quem são os pais do seu futuro filhotinho e verificar se não são violentos e barulhentos.
Durante as brincadeiras com os filhotinhos, precisa-se ter atenção e cuidados redobrados a fim de não provocar acidentes. Puxões e apertões num filhote tão pequeno podem resultar em fraturas e distensões. O mesmo se aplica aos lugares aos quais o filhotinho tem acesso. Precisa-se evitar que ele fique desacompanhado em cima de móveis, ainda que baixos como sofás e camas, porque para ele, uma queda dessa pequena altura é capaz de ser fatal.
Outro cuidado importante com o filhote é não deixar ao seu alcance pequenos objetos que são capazes de tranquilamente ser engolidos, como clips e moedas. Na hipótese de o filhote ter acesso a jardins, todo o cuidado é pouco com frestas em cercas e portões, já que sendo curioso e ousado, é capaz de tranquilamente fugir por pequenos buracos.